Ana Farias
Home Acima LIVRO 2006 AdrianeJackson Alyne Marchiori Ana Alcântara Ana Costa Ana Farias Bruna Corecha Bruno Oliveira ClaudionorSilva Jr Cristiane Lopes Débora Macedo Edvilson SilvaJr Felipe Carvalho FranciscaVieira Gabriela Rocha Giuliana Santos Gleidson Sousa Jeanny Karlla Joelma Costa José MªCosta Jr Juliana Silva Karine Corecha Kerollen Costa Laís Bibas Larissa Alves Liege Arruda Lorena Ramos Luísa Silva Naina Jardim OsmarcelinaCardoso Priscila Silva RaimundoVictor RamayanaPena Sálua Fayal Samuel Aquino ShirsellemCosta Vanessa Alves Waldecy Cunha Jr

 

 

I Concurso de Redação "Minha água, minha vida"

Realização HIGISERVICE-Y.YAMADA - Dia Mundial da Água 2006

ANA CAROLINA ANDRADE FARIAS 
2ª série do Ensino Médio 
Centro Federal de Educação Tecnológica / Belém - PA
 

 

H2O: A FÓRMULA QUÍMICA DA VIDA

 Água. Uma palavra muito comum, presente em nosso dia-a-dia. Tão comum, que as vezes esquecemos seu significado e sua importância. Por exemplo: quando sentimos sede, vamos até a geladeira e pagamos um copo com água; bebemos, nos saciamos e então jogamos o resto na pia. Pronto; simples. Você pode até pensar que é pouquíssima água se comparada aos imensos mares e oceanos do mundo, mas milhares de pessoas fazem isso várias vezes ao dia. Pense e faça as contas. A quantidade de água desperdiçada neste gesto corriqueiro é imensa: são milhões de litros de água jogados fora. Este é apenas uma das várias formas de desperdício que o homem fez questão de inventar.

Apesar de ser o produto mais abundante da natureza, a água é um bem limitado. Dois terços da superfície terrestre são cobertos por água, porém, deste total, apenas 0,75% estão disponíveis para a humanidade suprir suas necessidades. Pode parecer pouca coisa, mas seria o suficiente se o homem não diminuísse sua “pequena fatia” de água, com tanta poluição e desperdício.

Não há um único ser vivo na Terra que não precise de água para sobreviver. Desde uma simples bactéria até o complexo ser humano, todos necessitam daquelas duas moléculas de hidrogênio unidas à outra de oxigênio: H2O, a fórmula química da vida.

“O elemento primordial é a água”, disse Tales de Mileto. Com razão, pois sem ela qualquer forma de vida seria impossível. Porém, o ser humano com sua ambição está envenenando, gastando à toa seu bem mais precioso. Está matando a “mãe água” e a si mesmo.

Por natureza, o homem tende a valorizar somente aquilo que lhe custa caro ou o que já perdeu. A água não nos custa caro (cerca de um real por mil litros) se comparada ao petróleo, talvez por isso, a humanidade não lhe dê seu devido valor. Mas quando a água começar a faltar, pagaremos o alto preço de nosso descaso. Em 25 anos, o petróleo começará a escassear, ao passo que um terço da humanidade estará morrendo de sede ou por contaminação da água. Conseguimos viver milhares de anos sem petróleo, mas sem água, será que podemos viver?

Os avanços tecnológicos têm proporcionado ao homem algumas alternativas para evitar que o mundo morra de sede. O processo de dessalinização da água é uma boa opção usada por muitos países para suprir suas necessidades, mas por enquanto, só está à disposição de nações que têm bilhões em dinheiro para custear esta alternativa. Outra possível saída para o problema, são as estações de tratamento, que tentam imitar a natureza, reaproveitando continuamente a mesma água. Na estação, o esgoto chega aos tanques e passa por vários processos de limpeza. Esta é a melhor forma de garantir um bom volume de água limpa. A técnica do reuso também pode ser uma excelente solução para a falta do recurso. Nos Estados Unidos, a mesma água pode ser reciclada mais de dez vezes. A despoluição de mananciais é uma importante arma na luta contra a escassez. O processo é trabalhoso e demorado, mas perfeitamente possível. Um exemplo bem sucedido é o rio Sena, na França: Hoje, até campeonatos de natação são realizados lá.

O saneamento tem um papel crucial na conservação da água. Como a maior parte do esgoto produzido é lançada em rios, o mesmo deveria passar por um processo de tratamento antes de ser despejado. Os resíduos industriais também devem ser tratados com o máximo rigor antes de serem descartados em qualquer lugar, principalmente na água. Existem muitas propostas para a resolução do problema da escassez, porém, as mais eficazes são a informação e a educação.

A situação está se tornando alarmante. Em certas regiões do mundo, o conteúdo de um copo é mercadoria valiosa. Nossos mananciais estão agonizando com a crescente poluição. Temos que poupar e preservar; a começar por nossas casas, por nós. Beber só o necessário, não deixar a torneira aberta enquanto não usamos, não jogar lixo nos rios, exigir providências das autoridades, gestos simples, mas que ajudam a preservar o liquido mais valioso de todos. Seja por consciência ou por necessidade, a humanidade tem que aprender que água não é para ser desperdiçada nem agredida com poluição.

Talvez você pense: “é só isso que eu posso fazer? Tão pouco!”. Parece pouco, porém, se cada um fizer a sua parte, nossos filhos e netos não viverão em um deserto, mas poderão sentir o gosto maravilhoso deste liquido sem sabor.

Não esqueça que a água que cai sem necessidade pelo ralo, leva um pouco de vida do planeta com ela. Seja consciente, dê sua parcela de contribuição, ou as últimas gotas de água que restarem serão disputadas a preço de ouro e sangue.

 

Ana Carolina Andrade Farias 
2ª série do Ensino Médio 
Centro Federal de Educação Tecnológica / Belém - PA
 

[MÚSICA 'MOLHADA']  [OUTRAS REDAÇÕES-2006]