Felipe Carvalho
Home Acima LIVRO 2006 AdrianeJackson Alyne Marchiori Ana Alcântara Ana Costa Ana Farias Bruna Corecha Bruno Oliveira ClaudionorSilva Jr Cristiane Lopes Débora Macedo Edvilson SilvaJr Felipe Carvalho FranciscaVieira Gabriela Rocha Giuliana Santos Gleidson Sousa Jeanny Karlla Joelma Costa José MªCosta Jr Juliana Silva Karine Corecha Kerollen Costa Laís Bibas Larissa Alves Liege Arruda Lorena Ramos Luísa Silva Naina Jardim OsmarcelinaCardoso Priscila Silva RaimundoVictor RamayanaPena Sálua Fayal Samuel Aquino ShirsellemCosta Vanessa Alves Waldecy Cunha Jr

 

 

I Concurso de Redação "Minha água, minha vida"

Realização HIGISERVICE-Y.YAMADA - Dia Mundial da Água 2006

FELIPE BENIGNO DE CARVALHO 
2ª série do Ensino Médio 
Sistema Teorema de Ensino / Belém - PA
 

 

MINHA ÁGUA, MINHA VIDA

 

Não posso respirar, não posso mais nadar, a terra está morrendo não dá mais pra plantar e, se plantar não nasce e se nascer não dá, até pinga da boa é difícil de encontrar...”.  Este é o trecho de uma música gravada pelo saudoso Luís Gonzaga, bem antes da Organização das Nações Unidas – ONU proclamar, em 1992, a Declaração dos Direitos Universais da Água, que em seu Artigo 2º assim diz:  A água é a seiva do planeta.  Ela é a condição essencial de vida de todo ser vegetal, animal ou humano...  O direito à água é um dos direitos fundamentais do ser humano”.  No Artigo 4º preconiza que “O equilíbrio e o futuro do planeta dependem da preservação da água e dos seus ciclos” e, no Artigo 7º: “A água não deve ser desperdiçada, nem poluída, nem envenenada...”.

O grito de alerta na voz do cantador é pertinente.  Desde o descobrimento ou ocupação do Brasil que as atividades econômicas são prejudiciais ao meio ambiente, como por exemplo a exploração do pau-brasil, derrubada de amplas extensões de mata para pastagens ou monoculturas como cana-de-açúcar e café; e, hoje, extração de madeira, assim como a expansão dos garimpos na Amazônia com uso descontrolado de mercúrio. Resultado: sem vegetação os rios e mananciais são condenados a desaparecer e, os que não desaparecem por completo transformam-se em córregos poluídos ou mesmo envenenados.  Os dados são alarmantes e preocupam, já que 80% dos esgotos do país e mais os dejetos residenciais são despejados diretamente nos rios, mares, lagos e mananciais.

Esse tipo de poluição afeta diretamente a saúde da população com doenças como diarréias, hepatite, febre tifóide, alergias, micoses, parasitoses intestinais, etc.  Segundo a Organização Mundial da Saúde – OMS, mais de dois milhões de crianças morrem por ano devido a doenças causadas pela água contaminada e, uma em cada cinco crianças morre antes dos cinco anos por doenças relacionadas à água.  Na conferência da Organização das Nações Unidas sobre o meio ambiente, o documento chamado Agenda 21 afirma que 80% das atuais doenças da humanidade e mais de um terço dos casos de morte se devem ao consumo de água contaminada ou imprópria para o consumo humano.

O governo brasileiro criou a Agência Nacional da Água – ANA, que tem como responsabilidade implementar a política nacional de recursos hídricos, porém há uma desconfiança de que é mais uma daquelas leis que vem como fonte de arrecadação de impostos.  De qualquer forma, se o arrecadado for investido em saneamento, despoluição de rios, reflorestamento de áreas degradadas, é uma esperança.  Aguardemos.

A União usa os mecanismos de sempre.  Faz leis de proteção, tardia, mas faz.  E nós, como cidadãos, o que fazemos?  A quantidade de água no mundo é praticamente a mesma há milhares de anos, mas o número de pessoas que vivem na terra aumenta a cada dia, quer dizer, mais gente para a mesma quantia de água.  A Terra possui 1,4 bilhão de quilômetros cúbicos de água. Desse total, 97,5% é água salgada.   Sobram 2,5% de água doce, tanto líquida quanto congelada.  Fora a congelada, sobram 0,26% de água líquida na forma de rios, lagos e lençóis subterrâneos, ficando apenas 0,002% de água própria para o consumo humano, que é justamente a que é renovada pelas chuvas.

Um exemplo mais claro: se toda a água da terra fosse dividida entre todos os habitantes, cada pessoa ficaria com oito piscinas olímpicas cheias, porém se dividirmos somente a água potável entre o mesmo número de pessoas, caberia somente cinco litros para cada uma.  Não é um dado preocupante?  Claro que é.  Mas também com atitudes bem simples é fácil evitar o desperdício.  Vejamos: lavar o carro durante meia hora com mangueira, se gasta 215 a 560 litros; usando o balde, 40 litros; lavar calçada com mangueira durante quinze minutos, 280 litros de água, usando a vassoura, um quarto dessa quantidade; escovar dentes com a torneira aberta 12 litros, com a torneira fechada, 1 litro; enfim, até o vaso sanitário em seis segundos despeja 10 litros de água, mas, se a válvula estiver defeituosa pode triplicar essa quantidade.

A água é tão importante que o nosso corpo contém 70% desse líquido. 

A vida brota da água e não podemos viver sem ela.

 

Felipe Benigno de Carvalho 
2ª série do Ensino Médio 
Sistema Teorema de Ensino / Belém - PA

 

[MÚSICA 'MOLHADA']  [OUTRAS REDAÇÕES-2006]