Kerollen Costa
Home Acima LIVRO 2006 AdrianeJackson Alyne Marchiori Ana Alcântara Ana Costa Ana Farias Bruna Corecha Bruno Oliveira ClaudionorSilva Jr Cristiane Lopes Débora Macedo Edvilson SilvaJr Felipe Carvalho FranciscaVieira Gabriela Rocha Giuliana Santos Gleidson Sousa Jeanny Karlla Joelma Costa José MªCosta Jr Juliana Silva Karine Corecha Kerollen Costa Laís Bibas Larissa Alves Liege Arruda Lorena Ramos Luísa Silva Naina Jardim OsmarcelinaCardoso Priscila Silva RaimundoVictor RamayanaPena Sálua Fayal Samuel Aquino ShirsellemCosta Vanessa Alves Waldecy Cunha Jr

 

 

I Concurso de Redação "Minha água, minha vida"

Realização HIGISERVICE-Y.YAMADA - Dia Mundial da Água 2006

KEROLLEN SILCK HEIDTMANN COSTA 
3ª série do Ensino Médio 
Sistema de Ensino Universo / Belém - PA
 

 

MINHA ÁGUA, MINHA VIDA

A suposta infinitude da natureza é concebida desde os tempos mais remotos, em que o homem caçava mamutes, e os imaginava intermináveis.  Equívocos semelhantes se percebem em pleno século XXI em deliberados flagrantes de agressão à água do planeta, que é também um subjacente atentado à vida.

Lord Byron, poeta inglês, já no século XIX enfatizava que “até que o sofrimento humano lhe ensine, o homem não avaliará o valor da água”.

A água é tão importante quanto a luz do sol, o solo e o ar.  Cobrindo cerca de 71% da crosta terrestre; responsável por 70% do peso corpóreo dos humanos e por grande parte das estruturas dos vegetais, ela é, sem dúvida, o grande milagre da vida.

Além de ser o líquido indispensável ao desempenho das funções vitais de todos os seres vivos, é parte integrante do cotidiano humano desde as atividades mais simples, porém não menos importantes, como as domésticas; às mais complexas e fundamentais à existência, como as industriais.

As águas nos inundam de felicidade.  Lavam a nossa roupa, nosso corpo e nossa “alma”.  Subsidiam o nosso lazer; quando tranqüilas, amparam navegantes; quando rebeldes, produzem energia e progresso.

A imensidão de água exposta aos nossos olhos, contrasta com preocupante realidade.  Embora sendo uma substância abundante em nosso planeta, a água doce e potável, necessária à vida vegetal e animal, não é tão farta assim, apenas 3%.  Ainda mais dramático: apenas 1% do total está disponível para beber, haja vista que as calotas de gelo, as geleiras, representam 2%.

É necessário, então, que haja conscientização, preservação e responsabilidade no seu trato, pois dela depende o futuro da humanidade.  Projeções, nada otimistas, apontam esse líquido precioso como motivo de guerra neste século.  Nada sensacionalista quando se tem notícia de que 250 milhões* de pessoas, em 26 países, enfrentam problemas com a escassez de água e já se registram no mundo todo mais de 10 milhões de mortes por ano, resultantes de doenças transmitidas pela água.

“Tragam-me um copo d’água, tenho sede/ e esta sede pode me matar”.   É assim que começa a música “Tenho Sede”, composta por Anastácia e Dominguinhos e que ficou mais conhecida pela interpretação do cantor e compositor baiano Gilberto Gil.  Realmente, a sede pode matar, mais que isso: a água também pode matar.

O planeta Terra, tal como o Titanic, navega em direção de icebergs para o conseqüente naufrágio fatal.  O homem desce à cova de sua própria ignorância.  As reservas de água, tanto na superfície quanto subterrânea, estão sendo poluídas por esgotos domésticos e por canais de águas urbanas e agrícolas que transportam substâncias tóxicas.  Os mananciais, asfixiados pelos desmatamentos, agonizam.  Os rios adoecem com tanto veneno, seja pelo garimpeiro inconseqüente que utiliza mercúrio em suas margens, para separar o ouro de outras partículas que vem juntas ou agrupadas nele, ou, pelo delinqüente navegante marítimo que lança às águas detritos que levam centenas ou até milhares de anos para serem decompostos.

Quaisquer mega-projetos de reciclagem e reutilização da água, já em voga em países como o Japão e Estados Unidos, serão quase sempre insuficientes enquanto não se adquirir, fundamentalmente, a cultura de racionamento e preservação.

No mundo todo, são seis bilhões e meio de habitantes, consumidores responsáveis por esse patrimônio da vida.  Medidas simples são relevantes na contenção de desperdícios: o reparo ou troca do vedante das torneiras; o banir dos supérfluos como lavagens costumeiras e exageradas de carros e calçadas.  Assim como também a vazão desnecessária dos banhos displicentes.  Informar a ocorrência de canos furados ou deteriorados aos órgãos responsáveis pela manutenção e distribuição de água, é também importante exercício de conscientização, pois a água escorrida pelos ralos ou esgotos nos traz prejuízos inestimáveis.  Poupar água não é uma providência que se deve tomar apenas em épocas de seca.  Poupar água é uma questão de sobrevivência.

É mister reconhecer que, se o homem abolir definitivamente a idéia de natureza-lixeira, estará contribuindo para a melhoria da qualidade de vida desta e de futuras gerações.  Evitando derrubadas e queimadas da floresta manterá, por conseguinte, altivos e absolutos os mananciais.  E assim, o hoje existirá amanhã.  Isso possibilitará que o homem não se torne uma espécie em extinção, e possa fechar os olhos e olhar para dentro de si mesmo, e ao invés da dolorosa confissão: “minha culpa, minha máxima culpa”, possa pronunciar com orgulho de único ser racional e expoente da criação: “minha água, minha vida”!

  

Kerollen Silck Heidtmann Costa 
3ª série do Ensino Médio 
Sistema de Ensino Universo / Belém - PA

 

[MÚSICA 'MOLHADA']  [OUTRAS REDAÇÕES-2006]