Bruna Corecha
Home Acima LIVRO 2006 AdrianeJackson Alyne Marchiori Ana Alcântara Ana Costa Ana Farias Bruna Corecha Bruno Oliveira ClaudionorSilva Jr Cristiane Lopes Débora Macedo Edvilson SilvaJr Felipe Carvalho FranciscaVieira Gabriela Rocha Giuliana Santos Gleidson Sousa Jeanny Karlla Joelma Costa José MªCosta Jr Juliana Silva Karine Corecha Kerollen Costa Laís Bibas Larissa Alves Liege Arruda Lorena Ramos Luísa Silva Naina Jardim OsmarcelinaCardoso Priscila Silva RaimundoVictor RamayanaPena Sálua Fayal Samuel Aquino ShirsellemCosta Vanessa Alves Waldecy Cunha Jr

 

 

I Concurso de Redação "Minha água, minha vida"

Realização HIGISERVICE-Y.YAMADA - Dia Mundial da Água 2006

BRUNA LAMEIRA CORECHA
3ª série do Ensino Médio 
Complexo Educacional Fama / Belém - PA
 

 

PLANETA TERRA, CIDADE BELÉM

 

 

“Não foi o martelo que deixou perfeitas as pedras dos riachos, mas a água – com sua dança e sua canção. Onde a dureza só faz destruir, a suavidade consegue esculpir.”         (R. Tagore)

 

Assim como muitas outras metrópoles deste planeta, Belém também está hoje na luta contra um dos maiores inimigos do homem; a poluição.

Muitas de nossas fábricas, de onde derivam os mais diversos produtos, dão conseqüência a uma gama alastrante de poluentes e dejetos que deterioram nosso planeta, de forma visível e ‘macabra’, muito combatida por órgãos do governo relacionados ao meio ambiente.

Podemos falar também da grave poluição por mercúrio, que ocorre em grande escala nos garimpos da Amazônia, especialmente no Pará. Problemas agravantes, que são invisíveis aos nossos olhos, como a contaminação da água destinada ao consumo humano, detectados em nossos reservatórios prediais, que, por sua vez, é consumida e usada de forma errônea e alarmante, ocasionando grandes desperdícios.

Diariamente ouvimos casos relacionados ao mau tratamento da água em nossos reservatórios prediais, ocasionando assim vários tipos de doenças de veiculação hídrica, principalmente em prédios residenciais. Também é importante ressaltar, lugares onde há falta de tratamento e precárias condições sanitárias, proliferando assim, uma série de doenças conseqüentes da água contaminada.

No que se refere ao desperdício da água, diariamente nos deparamos com certos hábitos e vícios de higiene, onde encontramos pessoas utilizando mangueiras para lavar carros, que também são usadas como ‘vassoura hidráulica’ para varrer as sujeiras das garagens, regar as plantas dos jardins, lavar paredes, etc..., tudo com a água tratada, filtrada e fluoretada.

Algumas pessoas, que se conscientizaram com o problema de desperdício, fizeram alguns projetos que realmente saíram do papel e se realizaram, tornando-se teses em faculdades de arquitetura e engenharia, onde se destaca a casa auto-sustentável, que consiste na construção de uma casa onde se armazena e aproveita a água da chuva –já que a nossa região apresenta um alto nível pluviométrico, favorecendo esse tipo de providência – que é coletada por calhas na cobertura, abastecendo reservatórios inferiores (cisternas) cuja finalidade será destinada aos fins secundários de utilização, tais como, descarga em vasos sanitários, rega de plantas e jardins, lavagem de garagens e pisos em geral, entre outros.

Esses problemas apresentam detalhes que passam desapercebidos pela população, por falta de divulgação, investimentos e conscientização por parte de nossos governantes, que só pensam em multar, gastar, e não em repor.

Embora a fiscalização e aplicação de multas pelos órgãos ambientais possam coibir os abusos e ações criminosas, praticadas contra o meio ambiente, poluindo corpos d’água, acreditamos que, uma ação efetiva do governo no sentido da educação sanitária e ambiental possa contribuir grandemente para a preservação da água em nosso planeta.

Bruna Lameira Corecha 
3ª série do Ensino Médio 
Complexo Educacional Fama / Belém - PA
 

[MÚSICA 'MOLHADA']  [OUTRAS REDAÇÕES-2006]