Liege Arruda
Home Acima LIVRO 2006 AdrianeJackson Alyne Marchiori Ana Alcântara Ana Costa Ana Farias Bruna Corecha Bruno Oliveira ClaudionorSilva Jr Cristiane Lopes Débora Macedo Edvilson SilvaJr Felipe Carvalho FranciscaVieira Gabriela Rocha Giuliana Santos Gleidson Sousa Jeanny Karlla Joelma Costa José MªCosta Jr Juliana Silva Karine Corecha Kerollen Costa Laís Bibas Larissa Alves Liege Arruda Lorena Ramos Luísa Silva Naina Jardim OsmarcelinaCardoso Priscila Silva RaimundoVictor RamayanaPena Sálua Fayal Samuel Aquino ShirsellemCosta Vanessa Alves Waldecy Cunha Jr

 

 

I Concurso de Redação "Minha água, minha vida"

Realização HIGISERVICE-Y.YAMADA - Dia Mundial da Água 2006

LIEGE COUTINHO DE ARRUDA
7ª série do Ensino Fundamental 
Colégio Salesiano N.S. do Carmo / Ananindeua - PA
 

 

MINHA ÁGUA, MINHA VIDA

A água é essencial para a vida de qualquer ser humano, sem ela é impossível viver.  Infelizmente, nem todas as pessoas pensam assim”. 

Essas são as grandes e sábias idéias da minha querida vovó.  Na casa dela, é costume ouvirmos:

“—Gigi! Fecha essa torneira, vê se não gasta muita água!

Mas essa reclamação não era só para mim, pois nossa secretária, a Aninha, adorava gastar “baldes e baldes” de água nos seus afazeres domésticos.  Ela dizia pra gente que existe água em abundância no mundo e que jamais irá acabar.  Por isso, nunca se importou em economiza-la.  Essa afirmação é verdadeira, porém o que ela não sabia é que nem toda a água do mundo serve para o consumo humano.

Talvez, o motivo de ela pensar assim, é porque a Amazônia é a região com a maior bacia fluvial do mundo, o que faz com que não só a Aninha, mas a maioria das pessoas, achasse que a água realmente não vai acabar.  Esse pensamento            faz parte do costume das pessoas que moram em nossa região, ou seja, já que tem muita água, pode-se gastar a vontade.  Isso é um grande engano!

Eu, uma simples aluna do ensino fundamental, me senti na obrigação de esclarecer para estas pessoas que esse tipo de pensamento está incorreto. Como leio muitos livros, revistas, jornais e outros meios de informação, aprendi que: a Terra é chamada de “Planeta Água” porque os oceanos e mares constituem 97% do planeta, sendo que essa água é imprópria para o consumo.  Entretanto, 3% desse total é de água doce e, somente 0,8% é de água potável.  Portanto, a água potável é um recurso escasso no planeta.

A ilusão de abundância esconde o péssimo estado dos recursos hídricos.  A poluição das águas tornou-se um problema mundial.  A água dos rios, dos mares e também a água subterrânea, estão sendo poluídas pelo despejo direto de produtos químicos (como fertilizantes e agrotóxicos), lixo (doméstico e industrial) e esgoto urbano sem tratamento.

Isso significa a proliferação de doenças como a cólera e a esquistossomose, que são transmitidas pela ingestão de água contaminada. Essas doenças são causadas pela falta de saneamento que atinge boa parte da população.

Grandes fontes de desperdício podem ser encontradas no nosso próprio cotidiano, como, por exemplo, ao escovarmos os dentes ou na hora do banho quando estamos nos ensaboando, a torneira e o chuveiro ficam abertos, gastando muitos litros de água, quando poderíamos estar gastando bem menos com eles fechados; na lavagem de automóveis quando se utiliza mangueiras no lugar de baldes; e até aquele “pinga-pinga” da torneira pode ser evitado; assim como milhões de brasileiros, que pensam como a Aninha, podem ser conscientizados a não desperdiçar esse líquido precioso.

A água é a seiva do nosso planeta. É a condição essencial de vida de todo vegetal, animal ou ser humano. Sem ela, Deus não poderia criar a atmosfera, o clima, a vegetação e a agricultura. Todos têm direito à vida, à água. Por isso, torna-se necessário a conscientização das pessoas através da educação ambiental, para garantir a continuidade da vida no planeta. Sua proteção constitui uma necessidade vital, assim como uma obrigação moral do homem para com as gerações presentes e futuras.

 

Liege Coutinho de Arruda 
7ª série do Ensino Fundamental 
Colégio Salesiano N.S. do Carmo / Ananindeua - PA

 

[MÚSICA 'MOLHADA']  [OUTRAS REDAÇÕES-2006]