Julho 2000
Home Acima Dezembro 1998 Janeiro 1999 Fevereiro 1999 Março 1999 Abril 1999 Maio 1999 Junho 1999 Julho 1999 Agosto 1999 Setembro 1999 Outubro 1999 Novembro 1999 Dezembro 1999 Janeiro 2000 Fevereiro 2000 Março 2000 Abril 2000 Maio 2000 Junho 2000 Julho 2000

 

REFLEXÕES  SOBRE  A  ÁGUA...
Tudo o que você precisa saber sobre a água, agora também na Internet: sergiosilva@higiservice.com.br

==ANO X== Nº. 120 ===== JULHO / 2000 ==== Colaboração Sergio Silva ===========

REFLEXÕES” COMPLETA 10 ANOS NESTA EDIÇÃO
Em seu número 120 a coluna “Reflexões sobre a água...” completa os dez anos de publicação no seu Jornal do Síndico, sem jamais ter falhado em qualquer edição. Com o firme propósito de divulgar a importância da água em nossa vida e os cuidados indispensáveis que devemos a ela, este espaço vem apresentando artigos de autoria do signatário da coluna e de autores diversos com a convicção de estar contribuindo para a conscientização do público em geral sobre este assunto de interesse vital para todos.
O crédito pela matérias que estamos apresentando nesta edição são da Revista Petrobrás nº. 66, repleta de informações de grande importância sobre a água e a sua relação com a produção de petróleo. Confira!

ÁGUA:    O COMBUSTÍVEL DA VIDA

Substância primordial do Universo e fonte da vida, a água compõe 70% do planeta e, curiosamente, o mesmo percentual do corpo humano. A quase totalidade das águas que cobrem a Terra é a mesma desde a sua origem. A mesma em que os dinossauros se banhavam e bebiam, há bilhões de anos. Desde então, essas águas circulam, mudando de estado físico e de lugar, num ciclo que não se interrompe e no qual elas estão sempre se renovando e, por isso mesmo, mantendo generosamente, apesar do desperdício, da poluição e da contaminação promovidos pelo homem, a vida do planeta e dos seres que o habitam.
Na indústria petrolífera, a água também se faz presente. Ela tem papel fundamental no refino. Sem esse líquido valioso, cuja disputa tem gerado conflitos no Oriente Médio e na Ásia, seria impossível processar o óleo e produzir derivados. Já na exploração, ela serve para empurrar o óleo que está no fundo da rocha para a superfície. Entretanto, a água salgada que sai junto com o petróleo extraído dos campos marítimos não é bem-vinda. Ela influi na qualidade do produto e ainda provoca corrosão nos equipamentos das refinarias. É preciso separá-la do óleo, tratá-la adequadamente e, então, devolvê-la ao mar.
A água na produção de petróleo - Na exploração e produção, a água atua como mocinha e vilã. Está presente na rocha juntamente com o petróleo e o gás natural. Estes fluidos estão separados em camadas. O mais pesado, a água, fica na parte inferior da rocha, sobre ela o petróleo e acima deste, o gás. É usual a injeção de água no reservatório para manter a pressão e auxiliar o fluxo do petróleo para a superfície. A água a ser injetada na rocha pode ser doce, salgada ou aquela produzida juntamente com o óleo depois de separada. Seja qual for o tipo de água injetada no reservatório, ela é tratada para garantir que não ocorra entupimento dos poros da rocha, dificultando a migração do óleo para o poços.

(Vale a pena ler o texto completo desta matéria na Internet, em http://www.higiservice.com.br/petroleo.htm.

ÁGUA DOENTE,  VIDA EM PERIGO
A água que chega pela torneira percorre um longo caminho. Depois de ser captada em um manancial, é transportada por tubulações até uma estação de tratamento, e daí até um reservatório, de onde é distribuída. Geralmente, as águas que abastecem as cidades são captadas nos rios, mas em certas regiões brasileiras, como no nordeste, a água subterrânea – retirada de fraturas e falhas de rochas – tem sido muitas vezes a única fonte de abastecimento. 
Toda água depois de utilizada fica suja. Ela passa a transportar restos de alimentos, urina, fezes, resíduos e substâncias químicas. A água utilizada se transformou em água servida, ou esgoto, composto por 99,9% de água e 0,1% de sólidos dissolvidos e em suspensão. É preciso coletá-lo e tratá-lo. O tratamento do esgoto retira detritos, substâncias químicas e microorganismos, deixando as águas tão limpas quanto possível, antes de despejá-las nos rios e mares. As águas completam naturalmente o processo, graças à sua capacidade de autodepuração.
No Brasil, somente 10% do esgoto recebe tratamento adequado. O restante é despejado diretamente no solo, em cursos d’água ou valas que correm a céu aberto. Do total de domicílios urbanos, mais da metade (51,8%) não tem esgoto e outros 23,8% não dispõe de água encanada. Os 36 milhões de brasileiros que não recebem água em casa se abastecem em poços, rios ou outros mananciais próximos, cujas águas podem estar contaminadas ou poluídas. Os números desse triste desempenho se revelam no estado de saúde da população: 30% das mortes de crianças brasileiras com menos de um ano são causadas por falta de saneamento básico. Outro dado surpreendente é o percentual de internações no mundo vinculado à qualidade da água: 65% do total. Prova de que esse alimento mineral precioso para os seres vivos é mesmo o combustível da vida.   ( Revista  PETROBRÁS nº. 66 )

        C O N T A - G O T A S        
O consumo total de água em uma cidade de grande porte, se dividido pelo número de habitantes, é estimado em 500 litros diários. 

Uma pessoa gasta, em média, de 75 a 200 litros de água por dia em ingestão, cuidados pessoais, limpeza e preparo de alimentos. 

A lavagem de um carro com mangueira de jardim pode consumir até 600 litros de água! 

Para produzir um litro de cerveja são necessários 30 litros de água, e uma tonelada de milho exige 1,6 milhão de litros de água em irrigação, até a sua colheita.

=============
"Todo mundo é ignorante , apenas em assuntos diferentes."  
( Will Rogers 1879/1935 - comediante americano )

                              [ ÍNDICE ]                                 Até breve!                     
Sergio Silva